Pessoas de Negócios
 
terça-feira, 27 de junho de 2017
   eventos   palestrantes   campanhas   currículos   Empresas
 
tv vídeos notícias contato inácia soares
 
   Artigo

 
   Atendimento a Clientes

 
   Carreira

 
   Comunicação

 
   Empreendedor

 
   Etiqueta e postura

 
   Eventos

 
   Gestão de Pessoas

 
   Liderança

 
   Livros

 
   Midias

 
   Negócios

 
   Novos Negócios

 
   Tecnologia

 
 
     Buscar

em  
 
     Últimas Notícias
Encontro de educadores
Ética e Relações de Trabalho
Talentos Invisíveis
Liderança e Reinvenção
Formatura Incubadora Design UEMG
 
[ Todas as notícias ]
 
 
 
 
Notícias
 
Artigos
ARTIGO: As novas regras da terceirização

Marcos Morita

ARTIGO

As novas regras da terceirização

(*) Por Marcos Morita

Tramita na Câmara dos Deputados um projeto que propõe mudanças sobre o trabalho terceirizado. A lei, conhecida como 4.302, propõe o fim da responsabilidade solidária, mecanismo que possibilita ao empregado que se sinta lesado, acionar tanto a empresa contratada quanto a contratante, em caso de processos trabalhistas.

O ônus gerado às contratantes nestes casos é bastante significativo, seja ela grande ou pequena, nacional ou estrangeira. Apesar da existência desta ameaça, é crescente o número de empresas que utilizam terceiros, em sua maioria como estratégia para redução de custos. Imagine então se houver a certeza que não correrão nenhum risco jurídico? Será que a isenção de responsabilidades trará algum efeito nas condições de trabalho para estes profissionais?

O tema vem gerando discórdia. Defendida por confederações e combatida por sindicatos, é fato que em caso de aprovação haverá um aumento significativo nesta modalidade de contratação, o que pode parecer alentador numa época de empregos escassos. Entretanto, faz-se necessário analisar a qualidade dos serviços prestados por esta mão-de-obra, a qual do ponto de vista do consumidor aparenta ser pouco capacitada.

Conforme estudo realizado pela CNI - Confederação Nacional das Indústrias - a maioria dos empresários que se utilizam deste modelo de contratação, avaliaram os resultados aquém do esperado em termos de qualidade. Este é um dado preocupante, considerando-se a importância desses serviços na economia - um dos setores que mais utilizam terceirizados são as centrais de telemarketing, varejo, alimentação e segurança.

O papel deste setor é crucial para o país. Desde 2006 é o segmento que mais gera empregos, correspondendo por 60% do total da força de trabalho conforme dados do Ministério do Trabalho. Tal fato, aliado às mudanças ocorridas na década de 90 (privatizações dos sistemas bancários e das telecomunicações) levaram à revisão da metodologia de cálculo do PIB - Produto Interno Bruto, aumentando o peso deste setor na composição do índice.

A combinação: importância do setor de serviços, fim da responsabilidade solidária e má performance da mão-de-obra terceirizada, traz à tona a importância do binômio qualidade dos serviços e satisfação dos consumidores. Para ilustrá-lo utilizarei os conceitos de serviço desejado, previsto, adequado e zona de tolerância, adaptando-os à realidade apresentada.

Colocando-se nos sapatos do cliente, serviço desejado é aquele que consegue superar expectativas, traz satisfação e gera comentários positivos a amigos e conhecidos. O previsto é a prestação de serviço correta, nem mais nem menos. O adequado enfim é mínimo aceitável, abaixo do qual haverá insatisfação. Entre um e outro está à zona de tolerância, grau em que os clientes estão dispostos a aceitar variações na entrega dos serviços.

Desta maneira, sugiro aos empresários que antes de contratar terceiros como estratégia de redução de custos, reflitam sobre os conceitos apresentados verificando a intensidade dos contatos entre terceiros e seus principais clientes. Serviços considerados essenciais para a empresa devem ser avaliados pelos consumidores como adequados ou desejados. Lembre-se: é melhor investir num bom atendimento que confiar na tolerância do cliente.

Contudo, terceirizado ou não é preciso deixar claro que funcionário, independentemente da área de atuação, deve ser muito bem treinado, recebendo condições mínimas de trabalho. Só assim poderemos notar uma significativa melhora nos serviços prestados em nosso país. Sejam eles terceirizados ou não.

 

(*) Marcos Morita é mestre em administração de empresas e professor das disciplinas de planejamento estratégico e gestão de serviços na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Executivo há 15 anos em multinacionais, com experiência em canais indiretos de vendas, lançamento de produtos,  criação de novos negócios e programas de fidelidade.

 

 

 
 
Todos os direitos reservados à
Pessoas de Negócios © 2008

Termos de uso

   
 


TV HORIZONTE

Programa Mesa de Negócios
Av. Itaú, 515 - Dom Cabral / BH - MG
Cep.: 30.535-910


E-mail: tv@mesadenegocios.com.br
TV Inácia Soares Carreira Tecnologia
Apresentação Eventos Comunicação Contato
TV Horizonte Palestrantes Empreendedor  
Próximo Programa Campanhas Etiqueta e postura  
Assista ( Vídeoteca ) Currículos Gestão de pessoas
Programas Anteriores Empresas Liderança
Depoimentos Vídeos Livros
Exibição Notícias Midias
Cenário Artigos Negócios
Equipe Atendimento a cliente Novos Negócios